16º /
Facebook Instagram
Mapa Coração Rota Rota Rota Fernada Veloso
04
set

Peru: Cusco e Vale Sagrado dos Incas

Postado por: Fernanda Veloso | Categoria: Américas

Queridos amigos,

Quero dividir com vocês a minha experiência de viagem ao Peru. Faça seu check-in e embarque nessa viagem comigo!

A melhor época para visitar o Peru é na estação da seca, que vai de abril a outubro. Nos demais meses chove ou tem turista demais. Eu fui no mês de outubro e foi ótimo! A minha viagem durou 15 dias.

Informações importantes:

O Peru é um dos países que fazem fronteira com o Brasil, e seu horário oficial está duas horas atrasado em relação à Brasília. A moeda utilizada no Peru é o Novo Sol, e nosso dinheiro é bem valorizado por lá. Trocando o nosso dinheiro numa casa de câmbio, a unidade do real vale por volta de 1,50 soles. O dólar também é aceito em muitos lugares, como restaurantes e entre aqueles que vendem artesanato local.

O clima predominante no país é o equatorial, mas cada região tem suas peculiaridades, fazendo variar os meses de chuva. Enquanto Cusco é uma cidade alta e extremamente seca, Lima é banhada pelo litoral, apresentando umidade elevada.

Não é necessário visto para os viajantes brasileiros. Entretanto, é exigida apresentação do Certificado Internacional de Vacinação ou profilaxia contra a febre amarela. É aconselhável a vacinação com uma antecedência mínima de dez dias antes da partida. Maiores informações, clique aqui no link da Anvisa.

Há vôos diários de diferentes empresas aéreas brasileiras e internacionais (LAN, TAM, Gol) com destino à Lima, capital do Peru. A viagem, sem escalas, dura 5 horas. Partindo de Lima, os vôos domésticos têm duração de aproximadamente 1 hora e saem todas as manhãs em direção à Cusco.

Aeroportos:

Lima: Aeropuerto Internacional Jorge Chavéz.

Av. Elmer Faucett s/n – Callao – Lima

Tel: 51 (1) 511-6055

www.lap.com.pe

Cusco: Aeropuerto Alejandro Velasco Astete

Av. Velasco Astete s/n – Quispiquilla – Cusco

Tel: 51 (84) 222 601

www.corpac.gob.pe

Companhias aéreas: LAN; TAM; AEROLÍNEAS ARGENTINAS (com escala na Argentina); AVIANCA (com escala em Bogotá); COPA (com escala no Panamá).

Vôos nacionais no Peru: TACA; LAN PERU; AEROCONDOR.

A minha viagem:

Quando decidi fazer essa viagem, não preocupei muito em criar um roteiro específico porque eu tinha amigos peruanos vivendo em Cusco e que me dariam as melhores dicas de como conhecer os lugares que eu gostaria. Como eu não dispunha de muitos dias de viagem, optei por visitar Cusco, Machu Picchu e Lima. Infelizmente, deixei de conhecer alguns lugares, como Puno, Arequipa, o Cánion del Colca e Nazca. Mas eu não dispensaria a visita se tivesse a oportunidade. Descobri ainda outros lugares que eu nem sabia que existiam, como por exemplo, a viagem de trem de Lima a Huancayo que dizer ser espetacular!

Cusco:

Conhecer Cusco foi o ponto inicial da minha viagem. A partir da cidade você pode conhecer Macchu Picchu, Pisac, Águas Calientes, Ollantaytambo e Urubamba. Cusco é uma cidade histórica, conhecida como capital da cultura inca tem cerca de 500 mil habitantes e uma ótima infra-estrutura. Se encontra a quase 3.400 metros acima mar. Em 1983 foi declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO e sem dúvida é um dos destinos mais importantes do país.

Vista de Cusco

Quem conhece Ouro Preto/MG, vai ver que Cusco é bem parecida, porém maior. As ruas são de pedras com muitos morros. Quando eu ficava com preguiça de caminhar eu pegava taxi para ir aos pontos mais altos da cidade. É barato! Porém não se assustem…os carros são muito velhos, praticamente caindo aos pedaços!!

Na cidade de Cusco podem-se encontrar bons hotéis, restaurantes para todos os gostos e até boate. Tem hotéis de todos os estilos e preços, inclusive ótimos albergues para quem prefere um ambiente mais descontraído. Indico o Loki Hostel.

A maioria dos nativos vive do turismo, por isso há várias lojinhas de artesanato e agências que fazem passeios para os pontos turísticos. Alguns lugares são obrigatórios de se conhecer, como a Basílica Catedral de Cusco, que fica na Plaza de Armas, o Parque Arqueológico de Saqsaywaman e o Qoricancha. Ao caminhar pela cidade, é fácil de encontrar pequenas agências de viagens que fazem os passeios. Por isso não aconselho comprar nada antecipado porque lá você pode fazer pesquisa de preço e ainda barganhar bastante!

IMG_0168

Basílica Catedral de Cusco

IMG_0085

Plaza de Armas com o meu querido guia, Luiz Gustavo

A Catedral de Cusco tem três naves e 12 capelas em seu interior. É muito rica em imagens, quadros, ouro e prata. Infelizmente não pode fotografar lá dentro. A entrada custa aproximadamente 25 soles (16 reais). Já o Parque de Saqsaywama (10 minutos da cidade) é conhecido como fortaleza, apesar de não ter tido nenhuma função militar. O lugar era um centro cerimonial, uma zona sagrada e de estudos. Ele fica a 3.650m de altura e foi construído com pedras enormes. É maravilhoso! A entrada custa 70 soles.

A Rua Hatunrumiyoc é conhecida por ter, além de restos arqueológicos, uma grande muralha onde se encontra a famosa ” Pedra dos 12 ângulos ”. Este é um muro com pedras do tipo Diorite Verde,  localizado do lado de fora do palácio. A parede é admirável por sua arquitetura poligonal, que cobre quase toda a rua Hatunrumiyoc. Esta grande parede de pedra se caracteriza por ter no centro uma pedra de 12 ângulos, juntamente com grandes pedras polidas que tem seus encaixes perfeitos.

Parede de pedra 2

Já o Qoricancha, o Templo do Sol, servia como local para cerimônias e estudos como astronomia e matemática. Para entrar são 10 soles (6 reais) e, num passeio que abrange arquitetura, história e arte, você pode conhecer um pouco mais da cultura inca.

IMG_0142

Qoricancha

Apesar de ser uma cidade mística, Cusco tem uma excitante vida noturna com cafés, restaurantes e bares para todos os gostos. Em qualquer época do ano, não se esqueçam de sair com casaco à noite. Isso porque a cidade possui um clima semi-seco e frio. Durante o dia faz calor, mas já no fim de tarde o frio começa a aparecer. Não aconselho ir na temporada de chuvas que se inicia em novembro e termina em março. Normalmente entre junho e julho há geadas e em algumas ocasiões neva.

Se quiserem fazer compras de artesanato vá ao bairro de San Blas, onde estão os ateliês dos melhores artesãos. Praticamente, todas as manhãs eu tomava café da manhã no Mercado de San Blas. É um lugar bem simples, com comidas típicas, feita por agricultores que trabalham por lá. Mas o que eu mais gostei é que tudo é bem natural, como este suco que estou tomando!

Tomando suco

Não deixem de provar o Inca Cola, refrigerante típico peruano!

Inca cola

Dicas de restaurantes:

Don Esteban y Don Pancho: Av. El Sol, 765, Cusco

El Café de Mamá Oli: Plazoleta Nazarenas, 199, Cusco

Chez Maggy Pizzaria: Procuradores, 344, Plaza de Armas, Cusco

Justina Pizza y Vinos: Calle Palacio 110 , Cusco

Chicha: Regocijo 261, 2do. andar, Cusco

Trotamundos: Portal Comercio 177 – 2º. Andar – Plaza de Armas

Illariy: Hotel Monastério – Calle Palacios 136, Cusco

Restaurante Cicciolina: Calle Triunfo 393 2nd floor, Cusco

Hacienda Huayoccari: se localiza na estrada Cusco – Urubamba, km 64. Precisa reservar por telefone: 084 – 962.2224

Vale Sagrado dos Incas:

Conhecido como o Vale Sagrado dos Incas, à uma hora de Cusco, estão os povoados de Pisaq, Maras, Chinchero e Ollantaytambo. É um dos vales de maior riqueza paisagística e cultural do Peru e também uma inesquecível viagem ao passado da cidade de Cusco. Para conhecer estes lugares, fui a uma agência de viagem e comprei o pacote. Em um dia é possível conhecer tudo porque é bem próximo de Cusco. Fui de van e percorremos todo o caminho, paramos para almoço e retornamos a noite.

Há várias maneiras de conhecer o Vale Sagrado. Você pode alugar um carro, contratar um taxi ou, a opção mais barata e como fizemos é ir com uma agência. É possível também ir de ônibus fazendo várias paradas entre as cidades do Vale Sagrado. Mas aí, vai precisar de mais de um dia para percorrer todo o vale.

Começamos a viagem e a primeira parada foi em um mercado nativo, em Corao, Cusco. Lá se pode encontrar todo tipo de artesanato local, produzido pelos artesãos que vivem na região. Como é preparado estrategicamente para os turistas, é tudo muito caro.

IMG_0204

Mercado em Corao, Cusco

Continuando o passeio, outra parada para visitar o Mirante do Vale Sagrado, com uma vista maravilhosa para o Vale Sagrado e o Rio Willcamayo. Lá também tem muitas mulheres camponesas vestidas a caráter que irão te pedir um trocado por qualquer foto tirada.

Pisac

A terceira parada foi no Mercado de Pisaq, a 32 quilômetros de Cusco. O mercado de artesanato é enorme, colorido e realmente artesanal. Não se esqueça de pechinchar bastante! Logo após a visita, seguimos em direção ao sítio arqueológico de Pisaq para visitar as ruínas.

IMG_0212

A construção dessas ruínas é atribuída à pré-Incas e Incas e se destacam por estarem numa região de 3.400 metros. O lugar era um centro administrativo e tem uma arquitetura especial, própria para evitar possíveis danos provocados por abalos sísmicos. O caminho é realmente lindo. Dá pra tirar no mínimo umas 100 fotos! Na entrada você precisa comprar o ticket ou apresentar seu boleto turístico. Ao lado da bilheteria há um local onde se pode comprar água, gatorade, biscoitos e artesanato. Há banheiros. Depois de Pisac é a hora do almoço. O guia nos levou em um restaurante próximo, em Urumba. Próxima parada…

Ollantaytambo:

Ollantaytambo está localizado no distrito de mesmo nome, província de Urumba, aproximadamente a 60 quilômetros a noroeste da cidade de Cusco e tem uma altitude de 2.792 metros acima do nível do mar. Com uma população de aproximadamente 5 mil habitantes, é uma das principais estações de trem para se chegar a Machu Picchu. Andar pelas ruas, cheias de pedras, é sinônimo de uma viagem no tempo! Durante o passeio pode-se ver mulheres com trajes típicos e seus filhos nas costas.

Ollantaytambo

Ollantaytambo também tem ruínas de origem Inca, que ficam próximas ao povoado. O que me impressionou foi o planejamento e a qualidade com que as pedras foram trabalhadas individualmente. E é por isso que Ollantaytambo é considerada um dos complexos arquitetônicos mais surpreendentes do antigo Império Inca. Além do Templo do Sol, gigantescas formações rochosas, ruas retas e estreitas e muros altos formam um verdadeiro legado histórico e cultural. Apesar de ser chamado “Fortaleza” devido a seus grandes muros e terraças, foi na verdade um complexo militar, religioso, administrativo e agrícola.

Ollantaytambo vista do alto

Ollantaytambo - sentada na pedraNão tenha medo e nem preguiça da subida. Quando chegar ao topo vai ver que o esforço será recompensado. Ollantaytambo está na lista dos lugares obrigatórios para se conhecer para os turistas que vão à Cusco. Próxima parada…

Chinchero:

A parada em Chinchero é basicamente para visitar as casas que fabricam as lãs e aprender como é tratada a lã de alpaca, que é matéria prima de grande parte das roupas vendidas na região. Nessas casas todas as mulheres estão vestidas a caráter.

Achei muito interessante porque lá tive a explicação sobre a vestimenta típica que as mulheres da região utilizam. O preto é considerado sagrado e significa terra. O vermelho é sinônimo de amor. Estão sempre de saia preta e blusa vermelha representando seu amor pela terra.

Chinchero

Como na maioria dos pontos turísticos, fomos recebidos com chá de muña. É uma erva mentolada que melhora os sintomas da altitude. Gostoso, mas sem açúcar (é sempre bom andar com o seu próprio açúcar ou adoçante).

No local havia bancos de madeira onde nos sentamos para ouvir a explicação de uma das moças sobre a preparação da lã. Ela nos deu explicação sobre todo o processo até o momento em que a cor é escolhida. Achei muito interessante. Apesar de a explicação ser em espanhol, elas falam muito rápido! Infelizmente não dá pra entender tudo.

Depois da explicação, somos convidados a comprar os produtos produzidos naquela região. As peças são todas muito bonitas e ficam expostas em uma grande banca, mas os preços não são os mais baratos. Dá vontade de comprar pelo menos para ajudá-las um pouco, pois é uma região bastante pobre. Já ouvi muita gente criticando esse turismo, sob o argumento de que os guias nos levam nessas casas apenas para podermos comprar. Claro que tem um pouco disso sim mas, pra mim, foi muito mais interessante saber como a lã da alpaca se transforma naqueles tecidos coloridos que vemos por toda a parte. Além disso, as anfitriãs camponesas são muito simpáticas. Vale a pena!

 

Comentários:

  • 29 de julho de 2014

    Gustavo Magalhães disse:

    Olá, Fernanda ! Em primeiro lugar, parabéns pela sua página, está excelente e esclarecedora. Estou lhe escrevendo para pedir uma opinião, pois estou indo para o Peru com a minha esposa em setembro. Terei duas noites em Cuzco, então gostaria de saber, dentre os restaurantes que vc mencionou (ou outros que conheça tbm), quais os dois que vc nos recomenda para as duas noites disponíveis? Aproveitando, em Lima vc teria os dois mais especiais para recomendar tbm? Serão duas noites na capital. Agradeço antecipadamente. Um abraço, Gustavo

  • 30 de julho de 2014

    Fernanda Veloso disse:

    Olá Gustavo! Fico muito feliz que você gostou da página! Obrigado por estar acompanhando! Sobre o que vc me perguntou é o seguinte: Como vc terá 2 noites em Cusco, sugiro ir a dois restaurantes que considero ser muito bons! O primeiro é o “Chica”, que faz parte da rede de empreendimentos do Astrid e Gastón. Lá não tem erro. A comida e atendimento são excelentes!Perfeito para um típico jantar peruano a dois. O outro que considero excelente é o “Cicciolina. É também muito gostoso para um jantar de casal. Lá tem dois ambientes, um mais descontraído se quiser apenas comer “tapas” e tomar um vinho ou outro mais informal para jantar. Vc será bem servido em qualquer um deles.
    Já em Lima aconselho o IK Restaurante, um dos melhores da cidade atualmente e o La Locanda, no Swissotel Lima. São dois restaurantes para um jantar mais formal. A comida em qualquer um deles é excepcional! Se vc gosta de comida peruana vc vai adorar! Espero ter ajudado! Depois me conta se vc gostou! Abraços e boa viagem! Fernanda.

  • 9 de outubro de 2014

    Joana disse:

    Oi, Fernanda, tudo bem? Estou fazendo pesquisas de hospedagem em Railay, para uma viagem em dez/jan deste ano. Curti muito o Railay Great View, porém tenho dúvidas em relação a localização. É um pouco afastado, né? Estarei de lua de mel, queria um lugar charmoso, porém eu preferia em frente a praia. Os resorts da parte west achei muito impessoais, sem charme. O que vc acha? Indicaria ou Great View como melhor opção ou acha que posso considerar outra possibilidade? Obrigada! 🙂 Bjks

DEIXE SEU COMENTÁRIO:

(*)campos obrigatórios.

®2013 Paixão por Viajar. Todos os direitos reservados.Big Bang Comunicacção